quarta-feira, 16 de agosto de 2017

VERSINHOS COM MEU PAI



         
 


Bem novo, criança ainda, meu pai me ensinou uns versinhos que não esqueço. Eram outros tempos. Outra época. Não havia a perseguição, a patrulha, muito menos redes sociais de hoje.

          Talvez agora, acusariam ele de racista, com esse versinho. Certamente o primeiro que aprendi:

O meu pai é um nêgo veio
Tocador de violão
Toca dia e toca noite
Por um prato de feijão!

          Outra trova que meu pai recitava e nós repetíamos, machista talvez, era assim:
Tico-tico do terreiro

Quando chove não se molha
Onde tem moça bonita
Para as feias não se olha!

          Hoje, segundo domingo de agosto, dia dos pais, há pássaros na volta da casa recitando velhas lembranças. Alguns ben-te-vis, rolinhas, curruíras, e, na mata próxima, o canto ritmado das saracuras.

Quebrei-três-pots!
Quebrei-três-pots!
Quebrei-três-pots!

Elas chamam a chuva e um versinho que aprendi bem pequenininho, politicamente talvez, não seja correto. Vejam:

Pica-pau do Mato Grosso
Tem catinga no pescoço
Saracura do banhado
Perna fina e cu cagado!

Estas rimas trazem saudades.
E porque estou dizendo isso?
Hoje é o meu primeiro dia dos pais, sem meu pai!

Porto Alegre, 13 de agosto de 2017.
Jorge Luiz Bledow
 E-mail: bledow@cpovo.net
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...